Professores em greve param rodovias

Foto: ADUSB
Foto: ADUSB

COMPARTILHE:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no google
Compartilhar no email

Os professores das Universidades Estaduais da Bahia, fecharam, na manhã desta quinta (9), rodovias em todo Estado. A categoria há 55 dias em greve reivindica o respeito aos direitos trabalhistas e investimento adequado para as Universidades. Os professores responsabilizam o governo Rui Costa pela manutenção da greve e pela permanência de mais de 60 mil estudantes fora de sala de aula.

Foto: Divulgação/ ADUSB
O protesto, em várias rodovias baianas, foi denominado de “Trancaço”  Foto: Divulgação/ ADUSB

“Trancaço” – O protesto foi iniciado às 7h na BR-116 no trecho da Lagoa das Flores em Vitória da Conquista. Os Comandos de Greve e Mobilização estudantil e dos professores ainda realizaram  protestos na BR-101, em frente à Uneb de Eunápolis; na BR-116 Norte, em frente à Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs); e na BR-415, nas proximidades da Universidade Estadual de Santa Cruz, em Ilhéus.

De acordo com a Associação dos Docentes da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (ADUSB), a ação objetiva denunciar para a população a política de descaso do governo Rui Costa (PT) com as Universidades Estaduais e os trabalhadores. O Movimento se reunirá com representantes governamentais para a discussão da contraproposta apresentada pela categoria.

Foto: Divulgação/ ADUSB
A greve reúne professores das quatro universidades baianas (Foto: Divulgação/ ADUSB)

Os motivos – A greve deflagrada nos dias 12 e 13 de maio pelos professores das quatro Universidades Estaduais (UESB, UNEB, UEFS e UESC) não acontece por motivações salariais. A categoria reivindica que os direitos trabalhistas, como promoções, progressões e mudanças de regime de trabalho, sejam garantidos. O Movimento cobra a ampliação do número de professores e investimento de 7% da receita líquida de impostos (RLI) para o orçamento das Instituições.