Profissionais da imprensa acima de 40 anos podem se vacinar amanhã

Foto : Pixabay
Foto : Pixabay

COMPARTILHE:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no google
Compartilhar no email

Os profissionais da imprensa com idade acima de 40 anos poderão se vacinar contra a Covid-19 em Feira de Santana, cidade de acerca de 100 quilômetros de Salvador, a partir de sábado (5). Só serão vacinados aqueles que atuam na linha de frente realizando coberturas externas da pandemia. De acordo com a prefeitura, a vacinação ocorrerá das 8h às 12h, na UniFTC, em uma sala reservada para este público prioritário.

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) informou que a relação em ordem alfabética com o nome completo, número do RG e a data de nascimento dos profissionais deve ser encaminhada pelos veículos de imprensa ao e-mail secretario.sms@pmfs.ba.gov.br, até 16h desta sexta-feira (4).

Para se vacinar, são essenciais documentos pessoais com foto (RG original, carteira de trabalho), CPF, comprovante de residência em nome da pessoa a ser vacinada, ou em nome de pai ou mãe ou com alguma comprovação de vínculo. Se for aluguel, um documento que comprove a locação. É importante ressaltar que deve ser comprovado a relação de trabalho com a empresa na qual atua por meio de carteira de trabalho ou contrato.

Nos casos de Pessoa Jurídica (PJ), deve ser apresentado o contrato que comprove vínculo com o veículo, além de RG, CPF e comprovante de residência no nome da pessoa a ser vacinada, de pai ou mãe ou com alguma comprovação de vínculo.

Em nota, o Sindicato os Jornalistas da Bahia (Sinjorba) afirmou que solicitou a inclusão da categoria na lista de prioridades da vacinação, porque o decreto 10.288 incluiu a imprensa como serviço essencial durante a pandemia, o que significa que “os profissionais não podem se negar a trabalhar, inclusive cumprindo pautas em hospitais, unidades de vacinação, pontos de aglomeração e outros locais de exposição e possibilidade de contaminação”. A entidade relatou ainda o alto nível de adoecimento e mortes de profissionais de imprensa na Bahia e no Brasil.