Rodoviários de Feira aderem à paralisação nacional

Uma das principais pautas da paralisação é a dupla função dos motoristas (Foto: Reprodução / FlechaBranca)

COMPARTILHE:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no google
Compartilhar no email
Uma das principais pautas da paralisação é a  dupla função dos motoristas (Foto: Reprodução / FlechaBranca)
Uma das principais pautas da paralisação é a dupla função dos motoristas (Foto: Reprodução / FlechaBranca)

Rodoviários de Feira de Santana – Região Centro Norte Baiana – aderiram a paralisação nacional, que acontece nesta quarta-feira (16), que interrompe por três horas os serviços de transporte municipal, intermunicipal e interestadual. A adesão foi confirmada em uma assembleia ocorrida na última segunda-feira (14), no Sindicato dos Trabalhadores Rodoviários de Feira de Santana (Sintrafs). A paralisação começou às 4 horas da madrugada e tem a previsão de três horas de duração, com os ônibus retidos.

O diretor sindical da Sintrafs, José de Souza Almeida, disse que a paralisação tem como principais pautas, temas relacionados à segurança dos rodoviários, a dupla função dos motoristas e também a manifestação de contrariedade ao processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff. José de Souza citou estatística de Salvador, onde 13 dias foram 33 assaltos a ônibus e um funcionário baleado.

Com relação à Feira de Santana, o represente sindical comentou sobre a nova frota de ônibus aguardada para o transporte coletivo e a ameaça aos empregos dos cobradores com a adaptação dos ônibus a bilhetagem eletrônica e a proposta de desmonetarização. “Não somos contra a modernização do sistema, mas tem que existir a segunda pessoa no ônibus. Tem que ter proposta, o que chamamos de agente de bordo”, disse o diretor sindical. Segundo o rodoviário, a mesma situação é enfrentada em estados como Rio Grande do Norte, Alagoas e São Paulo.