Saúde pede autorização ao MP para entrar em imóveis de Feira

C
C

COMPARTILHE:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no google
Compartilhar no email

Dos 356 mil imóveis de Feira de Santana 12 mil estão fechados, abandonados ou para alugar. Isso dificulta o trabalho da Vigilância Epidemiológica (Viep) do município no combate aos focos do mosquito Aedes Aegypti, transmissor da dengue, zika e chikungunya. Diante dessa situação, a Secretaria Municipal de Saúde, através da Viep, solicitou ao Ministério Público da Bahia (MP) autorização para entrar nas propriedades.

Em entrevista ao jornal A Tarde, o coordenador de Endemias da Viep, Edilson Matos, afirmou que “há dificuldade de obter informações com as imobiliárias sobre os proprietários, e de conseguir as chaves desses locais para avaliar a situação”. Parte significativa dos imóveis está em bairros nobres da cidade, como o Santa Mônica. Segundo relatos dos moradores do local, mais de 50 casas estão abandonadas e 30% delas têm piscina.

Em uma das residências de alto padrão da Rua Santo Mamede, há uma piscina que virou ambiente de proliferação de mosquitos. “Já tentamos localizar os donos, mas não conseguimos. Não aparece ninguém há mais de dez anos. Na minha casa, todos ficaram doentes. Na rua, mais de 100 pessoas”, denuncia a empresária Luzinete Brito a reportagem do A Tarde.

Morador da Rua São Romão, Márcio Cavalcante reforçou as reclamações dos moradores do bairro e afirmou que os agentes de endemias não são vistos na região há bastante tempo. “Moro aqui há 32 anos e os agentes não vêm aqui há mais de um ano”, revela. O coordenador Edilson Matos, garantiu que os agentes farão uma visita nesta quinta-feira (23) ao bairro Santa Mônica.

Trabalho dos agentes de endemias

Matos pontua que, além de orientar os proprietários, os agentes de endemias eliminam periodicamente os focos aplicando larvicidas nos ralos e possíveis criadouros. Ele frisa ainda que “os carros-fumacê borrifam o inseticida para eliminar o Aedes aegypti na fase adulta”.

A ação é realizada nos bairros Queimadinha, Cidade Nova, Parque Ipê, Campo Limpo e Rua Nova, que apresentam maior número de notificações dos casos de chikungunya e zika vírus. O coordenador Edilson Matos também informou que, segundo dados divulgados pela Secretaria Municipal de Saúde, de janeiro até a terça-feira (21), a Viep notificou 1.999 casos de dengue, sendo 605 confirmados, dois deles graves. Foram notificados ainda 584 casos do zika vírus e 3.108 casos suspeitos de chikungunya.

Com informações do site do jornal A Tarde.

Foto meramente ilustrativa extraída do site da Imóveis Mitula.