Sérvia pega dois jogos de suspensão por gesto racista e pede desculpas

COMPARTILHE:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no google
Compartilhar no email

A líbero Sanja Djurdevic, da Sérvia, acusada de racismo contra a jogadora Pleumjit Thinkaow, da Tailândia, foi suspensa por dois jogos na Liga das Nações. Durante a partida entre as duas seleções, na última semana, ela zombou de um erro da rival e puxou os olhos com os dedos. O gesto, uma tentativa de imitar os traços orientais, é encarado como racismo e foi criticado nas redes sociais. A FIVB, após reunião do Subcomitê Disciplinar, anunciou a punição.

Sanja já não atua nesta terça-feira, contra a Bélgica, e também ficará fora do duelo contra o Canadá, no dia 12 de junho. Além disso, a Federação Sérvia foi multada em 20 mil francos suíços, cerca de R$ 111 mil. O valor será doado a uma instituição que se dedique a combater a discriminação ou para ajudar a financiar projetos educacionais.

“Tendo em vista a natureza da infração em competição, o processo foi conduzido de forma expedita. O Subcomitê do Painel Disciplinar da FIVB reserva-se ao direito de reabrir os procedimentos se o jogador não cumprir sua sanção. A sanção é final. A FIVB está empenhada em promover a compreensão, solidariedade e unidade contra todas as formas de comportamento discriminatório. A FIVB continuará a trabalhar incansavelmente com todas as suas Federações Nacionais para garantir que esses valores sejam refletidos em toda a comunidade”, disse a nota divulgada pela FIVB.

Após a partida entre as duas seleções, que terminou em vitória da Sérvia por 3 sets a 0, a jogadora se desculpou, assim como a federação de vôlei do país. Segundo nota oficial, Sanja não teve a intenção de atacar as rivais.

Sanja, após o jogo, foi ao vestiário da Tailândia para pedir desculpas. Alvo do gesto, Pleumjit Thinkaow disse ter aceitado as desculpas da rival. “Djurdevic veio até nosso vestiário. Ela disse que estava muito estressada e que não tinha a intenção de nos ofender. Por favor, perdoem ela”, afirmou.