Servidor da prefeitura de Salvador é preso

Thiago era gestor do Fundo Municipal de Assistência Social, órgão vinculado à Semps. Foto: Reprodução/Bocão News
Thiago era gestor do Fundo Municipal de Assistência Social, órgão vinculado à Semps. Foto: Reprodução/Bocão News

COMPARTILHE:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no google
Compartilhar no email
Thiago era gestor do Fundo Municipal de Assistência Social, órgão vinculado à Semps. Foto: Reprodução/Bocão News
Thiago era gestor do Fundo Municipal de Assistência Social, órgão vinculado à Semps. Foto: Reprodução/Bocão News

Thiago Santos Lima, servidor da Prefeitura de Salvador, foi preso nesta sexta-feira (25) sob acusação de desviar mais de R$ 100 mil do Fundo Municipal de Assistência Social. O dinheiro era destinado ao auxílio de desabrigados, vítimas das chuvas deste ano.

A prisão aconteceu como consequência da “Operação Chuva”, da Delegacia de Crimes Econômicos e Contra a Administração Pública (Dececap), que investiga desvio de verba da Secretaria de Promoção Social e Combate à Pobreza (Semps).

Thiago era gestor do Fundo Municipal de Assistência Social, vinculado à Semps. Durante a ação, os policiais apreenderam cerca de R$ 68 mil, além de um tablet, cinco celulares, dois notebooks, um HD e um computador que ele usava para realizar a fraude.

De acordo com informações do Portal A Tarde, a fraude começou a ser investigada depois que a polícia recebeu uma denúncia da própria prefeitura. “Em auditoria interna, que ocorre regulamente, o governo desconfiou da irregularidade quando percebeu que ele repassou R$ 4.200 para uma das vítimas. O alto valor chamou a atenção. A suspeita é que ele inscrevia pessoas que não necessitava do benefício. Com isso, ele recebia o dinheiro. Caso a fraude seja confirmada, Thiago vai responder por crime de peculato”, diz a publicação.

Mais envolvidos

Nove universitários também são suspeitos de participar do esquema de desvio de verba. Eles prestaram depoimento na delegacia, mas não há mandados de prisão nos nomes deles. A polícia investiga se Thiago conhecia todos os estudantes ou apenas um que teria incluído o nome dos demais no esquema.