Suspeito de matar Christy Helmayd se entrega

(Foto: Reprodução/ Gleidson Santos)
(Foto: Reprodução/ Gleidson Santos)

COMPARTILHE:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no google
Compartilhar no email
(Foto: Reprodução/ Gleidson Santos)
“Estou muito arrependido, não era para pegar no pescoço dele, mas aconteceu”, declarou Gladson (Foto: Gleidson Santos)

Gladson Bezerra da Silva, 20 anos, acusado de ter matado com um golpe de faca o produtor de eventos e colunista social Cristin Antônio de Almeida, conhecido como Christy Helmayd, se apresentou na tarde desta terça-feira (14), em Salvador, na Delegacia de Homicídio e Proteção a Pessoa (DHPP). Logo após, foi transferido e preso no Complexo Policial de Feira de Santana. A Justiça já tinha expedido um mandado de prisão preventiva contra o suspeito, ainda ontem a polícia autorizou a divulgação de sua foto.

De acordo com a mãe dele, Edilene Berreza de Lima, a divulgação de sua foto junto ao mandado de prisão, motivou o filho a se entregar para a polícia. Ela revela que Gladson lhe telefonou pedindo ajuda para se apresentar na Delegacia. “Se meu filho estiver errado ele deverá pagar na justiça pelo que fez, mas eu fui embora porque nos ameaçaram dizendo que meu filho iria pagar da mesma forma que aconteceu com Cris. Quem sempre bancou meu filho fui eu, ele trabalhava como ajudante de pedreiro. A intenção dele não foi matar e ele me ligou ontem pedindo para eu o ajudar a se entregar”, explicou.

No site Acorda Cidade, Edilene conta que o jovem não tinha relacionamento com a vítima, mas o produtor de eventos o chamava de marginalzinho e o assediava. “Eu sempre ia para esse bar e meu filho ia para lá também. Quando Cris via meu filho sempre o chamava de marginalzinho e dizia que ele tinha cara de drogado. Cris o chamava de gostoso ficava passando a mão nele quando estava no bar”.

(Foto: Reprodução/ Gleidson Santos)
Para o delegado Jean Souza, Gladson afirmou que após briga com a vítima reagiu com a faca que estava ao seu alcance (Foto: Gleidson Santos)

Para o delegado Jean Souza, Gladson afirmou ser assediado constantemente pela vítima e que no dia do crime, o produtor de eventos teria tocado nas partes íntimas dele, reagindo com a faca que estava ao seu alcance. “Segundo ele, não tinha intenção de matar. Queria golpear no peito, mas infelizmente acabou atingido o pescoço. É um homicídio qualificado, com motivo fútil”.

Gladson Bezerra já tem passagem pela Polícia por porte ilegal de arma e assalto. “Eu matei porque ele ficava me assediando. Toda vez que eu passava ele ficava me chamando para ir para casa dele. Estou muito arrependido, não era para pegar no pescoço dele, mas aconteceu. Não tinha caso com ele”, declarou Gladson.