Tire suas dúvidas sobre dengue, chikungunya e zika

1

COMPARTILHE:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no google
Compartilhar no email
Drª Normeide Pedreira é infectologista pediatra. Foto: Bela Foto/Reprodução/Facebook.
Drª Normeide Pedreira é infectologista e pediatra. Foto: Bela Foto/Reprodução/Facebook.

O mosquito Aedes Aegipty, transmissor da dengue, chikungunya e zika, precisa ser combatido durante todo o ano. É fundamental eliminar qualquer possibilidade de água onde ele possa se reproduzir. É importante que a população una forças com os poderes públicos nesse combate. É necessário também que as pessoas fiquem atentas às características e sintomas das doenças relatados a seguir pela médica infectologista Normeide Pedreira, além de procurarem o serviço médico caso apresentem o quadro característico.

“Essas doenças vêm de vírus diferentes. Para a dengue temos os vírus 1, 2, 3 e 4. Para a chikungunya é o vírus da Chikungunya, ou Chik vírus. Para a febre da zika, o Zika vírus. Essas doenças se parecem bastante clinicamente. Muitas vezes não é possível a diferenciação, dependendo da intensidade dos sintomas. Mas existem algumas diferenças entre elas que nos norteiam para o diagnóstico”, pontua a entrevistada.

Conforme a infectologista, o quadro da dengue clássica é febre persistente – geralmente alta e com duração inferior a uma semana, e dores de cabeça, no corpo e “atrás” dos olhos. Em 30% dos casos podem ocorrer manchas vermelhas na pele. O doente pode ter hemorragia, algo possível de ocorrer em casos mais leves ou mais graves, como a dengue hemorrágica, caracterizada pela passagem de líquido dos vasos para órgãos, a exemplo dos pulmões.

Enquanto na dengue a recuperação ocorre em uma semana, na chikungunya a pessoa pode levar semanas, meses e até anos com dores nas articulações, sintomas que na fase inicial da doença podem ser somados ainda aos mesmos gerados pela dengue. A chikungunya incapacita para a realização de atividades habituais, como escovar os dentes, porém isso não ocorre com todas as pessoas e nem é permanente.

De acordo com a médica Normeide Pedreira, “podem aparecer diversas alterações de pele. O grupo de pessoas onde a chikungunya se arrasta mais é formado por mulheres de 40 a 60 anos. Os doentes crônicos, que possuem diabetes, por exemplo, podem ter complicações mais importantes por conta da dengue ou da chikungunya. Na dengue esses doentes não pioram da sua doença de base, diferente da chikungunya, que piora a doença que a pessoa já tinha. Dengue mata mais e a chikungunya é mais intensa”.

A zika tem características inicialmente mais brandas do que a chikungunya, mas o paciente pode apresentar dor e inchaço nas articulações, além dos sintomas típicos da dengue inicial. O paciente com zika tem uma conjuntivite sem secreção, que faz os olhos ficarem bastante vermelhos. Na quase totalidade dos casos há manchas vermelhas na pele.

Foto de capa: litoralmania.com.br.