Trabalhadores exigem atrasados para operar ônibus em Feira

Ônibus estão prontos para circular. Foto: feiradesantana.ba.gov.br.
Ônibus estão prontos para circular. Foto: feiradesantana.ba.gov.br.

COMPARTILHE:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no google
Compartilhar no email
Ônibus estão prontos para circular. Foto: feiradesantana.ba.gov.br.
Ônibus estão prontos para circular. Foto: feiradesantana.ba.gov.br.

Depois de nove dias das empresas Princesinha e 18 de Setembro retirarem os ônibus de circulação em Feira de Santana, já estão na cidade os primeiros veículos que vão operar em caráter emergencial. A princípio são 61 ônibus, porém os rodoviários só assumem o serviço após o recebimento dos salários em atraso.

A prefeitura havia afirmado que os ônibus só circulariam a partir da quarta-feira (26) e o prefeito José Ronaldo de Carvalho declarou que os veículos já disponíveis deveriam atender aos bairros com mais usuários. “Mas isto não foi possível, pois os rodoviários não querem trabalhar sem antes receber seus pagamentos (40% do salário referente à quinzena do mês de agosto)”, revelou o prefeito ao jornal A Tarde.

O pagamento da quinzena foi definido numa reunião na sexta-feira (21) entre representantes do Ministério Público do Trabalho, da prefeitura e das empresas 18 de Setembro e Princesinha, mas os trabalhadores não haviam recebido até um final da tarde desta segunda-feira (24). “Caso não sejam liberados cerca de R$ 655 mil para os 1.100 trabalhadores, os ônibus não circularão na cidade”, informa Adelino Neto, diretor do Sindicato dos Trabalhadores do Transporte de Feira de Santana, ao jornal A Tarde. Sem ônibus, a alternativa é usar táxi, van ou mototáxi.

Contrato emergencial

O contrato emergencial foi assinado pela prefeitura e as empresas de ônibus Rosa e São João, ganhadoras da licitação do transporte no município. Conforme as companhias, 140 ônibus operarão nesta fase emergencial de 180 dias. As vencedoras têm o prazo de seis meses para começar a operar pelo período de 15 anos. Para isso, elas devem trazer de São Paulo 270 veículos 0 km.

Com informações do site do jornal A Tarde.