TRE cancela mais de 130 mil títulos de eleitores

SALVADOR-CANELA (3) - Copia

COMPARTILHE:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no google
Compartilhar no email
Só em Salvador foram cancelados mais de 40 mil títulos
Só em Salvador foram cancelados mais de 40 mil títulos

O Tribunal Superior Eleitoral e o Tribunal Regional Eleitoral – Bahia cancelaram 136.137 títulos de eleitores, no total de 10.185.417 eleitores, por ausência às urnas nas três últimas eleições na Bahia. Estes cidadãos também não justificaram a ausência. Entre os 10 municípios baianos com maior número de títulos eleitorais cancelados estão Salvador (41.868), Feira de Santana (4.310), Vitória da Conquista (3.598), Lauro de Freitas (1.952), Porto Seguro (1.881), Teixeira de Freitas (1.874), Juazeiro (1.472) e Jequié (1.396). Itabuna, que conta com 149.012 eleitores, teve 2.464 documentos cancelados.

Os eleitores tiveram 60 dias para regularizar o documento. De acordo com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), em todo o país foram cancelados 1.711.267 de títulos. A lista com os nomes e os números dos títulos de eleitores cancelados pode ser consultada nos endereços www.tre-ba.jus.br e www.tse.jus.br.

Para regularizar o título, o eleitor deve comparecer ao cartório eleitoral de sua inscrição ou, em caso de mudança de endereço, no município da nova residência. O eleitor deve levar um documento de identidade, exceto o novo modelo de passaporte, por não conter dados de filiação. Ele deve ainda apresentar o título eleitoral e os comprovantes de justificativa de ausência em cada turno das eleições, se possuir, além do comprovante de residência. A regularização não é necessária para eleitores com menos de 18 anos ou com mais de 70, para os quais o voto é facultativo.

Pessoas com deficiência e que têm dificuldade de cumprir as obrigações eleitorais também não terão o título suspenso. Segundo o TSE, o cancelamento do título eleitoral provoca uma série de consequências. Entre elas, impedir a obtenção de passaporte e carteira de identidade, o recebimento de salário de função ou emprego público, e a tomada de empréstimos. A ausência de registro também pode dificultar a matrícula em instituições de ensino e a nomeação em concurso público.