Sabrina Sato compartilhou em seu Instagram Stories alguns vídeos e cliques de Zoe arrasando com um look todo militar (Foto: Reprodução / Instagram)

Mini fashionista desde sempre! Sabrina Sato compartilhou em seu Instagram Stories alguns vídeos e cliques de Zoe arrasando com um look todo militar: vestido camuflado com coturnos. Nas gravações, a mamãe conta que o vestido era da priminha da pequena e fica toda babona com tanto estilo. Zoe já é famosa por seus looks estilosos desde recém nascida, quando Sabrina começou a compartilhar os looks delas combinando ou apenas os outfits da bebê.

Depois das pressões e negociações com partidos do Centrão, a equipe do presidente Jair Bolsonaro aceita retirar da reforma da Previdência Social quatro pontos da proposta de emenda constitucional (PEC) que está em tramitação na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara. A intenção do governo com a demonstração de boa vontade para mexer no texto é tentar aprovar a PEC já nesta terça-feira (23). Na avaliação de assessores do ministro Paulo Guedes (Economia), os trechos oferecidos para a tesoura do Centrão não afetam a potência fiscal da reforma e, por isso, poderiam ser negociados ainda nesta primeira fase de tramitação. Na estratégia inicial, o governo só considerava a possibilidade de ceder na segunda etapa de tramitação do texto na Câmara, durante os trabalhos da comissão especial, que analisará o mérito da medida.

Os quatro pontos que o governo admite mexer na CCJ são os seguintes:
  • O que retira a obrigatoriedade de recolhimento de FGTS de aposentados e do pagamento da multa de 40% da rescisão contratual deles;
  • O que define o foro de Brasília para qualquer tipo de ação judicial sobre questões previdenciárias da reforma;
  • Retirada da definição de aposentadoria compulsória da Constituição, transferindo mudanças para lei complementar;
  • O que deixa apenas nas mãos do Executivo federal qualquer proposta de alteração nas regras da Previdência
No caso da aposentadoria compulsória de servidores, líderes do Centrão dizem que a medida pode ser uma estratégia do governo Bolsonaro para abrir vagas em tribunais superiores, como o Supremo Tribunal Federal (STF). Recentemente, a idade da aposentadoria compulsória passou de 70 para 75 anos. Retirando esse ponto da Constituição e transferindo mudanças para a lei complementar, ficaria mais fácil reduzir essa idade e não haveria impacto, principalmente, no período de aposentadoria de ministros de tribunais.
O governo não quer ceder além desses quatro pontos. Modificações em itens como o Benefício de Prestação Continuada (BPC) e aposentadoria de trabalhadores rurais – que são vistas como certas na comissão especial – ficariam apenas para a segunda fase de tramitação. Paulo Guedes avalia que ceder ainda na primeira fase de tramitação enfraquece a estratégia do governo. O ministro da Economia preferia deixar qualquer mudança para a comissão especial.
No entanto, ele e o secretário da Previdência, Rogério Marinho, avaliaram que o governo pode fazer gestos na direção do Legislativo aceitando retirar pontos “laterais” da reforma, que não comprometem a previsão de economia de R$ 1 trilhão no período de dez anos.
O relator do parecer de admissibilidade na CCJ da Câmara, deputado Delegado Marcelo Freitas (PSL-MG), deve redigir novo parecer, fazendo os ajustes negociados nos últimos dias entre os partidos do Centrão e o governo. Ao longo desta segunda-feira (22), Rogério Marinho terá reuniões com Paulo Guedes e conversas por telefone com líderes partidários para tentar fechar o acordo. (G1)

O inglês Robert James Delbos, suspeito de ser um dos responsáveis por colocar 1 tonelada de cocaína no barco apreendido com velejadores brasileiros em Cabo Verde, na África, em agosto de 2017, disse à polícia que os brasileiros, que ficaram presos no país por 18 meses por tráfico internacional, não sabiam que a droga estava na embarcação e que são inocentes. Delbos, que foi preso na Espanha em junho de 2018 por ordem da Justiça brasileira, foi extraditado para Salvador, na quinta-feira (11).

Delbos ficou cinco dias custodiado na Superintendência da Polícia Federal em Salvador, onde prestou depoimento. Depois, foi transferido para o presídio da Mata Escura, também na capital baiana.À PF, Delbos disse que há muitos anos conhece o também inglês George Eduard Soul, também conhecido como George Fox, que seria o dono do veleiro e responsável pela carga de cocaína. Ele afirmou que foi contratado por Fox para fazer uma reforma na embarcação e que não sabia que a obra seria para esconder a droga.

No depoimento, Delbos disse que os baianos Rodrigo Dantas e Daniel Dantas e o gaúcho Daniel Guerra “não tinham conhecimento de que estavam transportando entorpecente, e que tais pessoas são inocentes”. Ele relatou também que George Soul “queria se matar por ter colocado quatro pessoas inocentes dentro do barco com a droga”.

Ele ainda relatou que não foi a primeira vez que se envolveu com o tráfico internacional de drogas. “Ele também teria sido preso, conforme ele próprio declarou, pelo transporte de 1,5 tonelada de haxixe, na década de 80, na Inglaterra”, afirmou o delegado Daniel Justo Madruga, superintendente regional da PF na Bahia.

O inquérito da PF foi concluído e o principal suspeito, George Soul, segue foragido. “Existe um mandado de prisão preventiva em aberto e esse mandado foi difundido via Interpol e ele pode vir a ser preso a qualquer momento”, afirmou Madruga.

As investigações da Polícia Federal apontam que Delbos chegou ao Brasil como tripulante do veleiro Rich Harvest e que foi responsável pelo pagamento das reformas executadas na mesma embarcação para que fosse escondia uma tonelada de cocaína no veleiro.

Estão abertas as inscrições para cursos, aulas e conteúdos a distância, todos gratuitos, realizados de 20 a 24 de abril, pelo Sebrae. A ação faz parte da Semana do MEI e, como novidade, promove algumas das capacitações através do Whatsapp. Os interessados devem se inscrever através do site da Semana do Mei. Na página, o micro-empreendedor individual deve selecionar a capacitação desejada e clicar em “tenho interesse”.

São 4,6 mil vagas para 22 eventos online e capacitações realizadas pelo Youtube e Whatsapp. Os inscritos receberão o link para acessar os eventos online. Pelo aplicativo de mensagens, serão dois dias de eventos com conteúdos digitais em formato de vídeo, podcast, ebooks, audiobooks, infográficos e planilhas. O empreendedor que realizar a inscrição no evento será incluído em um grupo no Whatsapp.

Serão disponibilizadas também aulas no canal do SebraeTalks no Youtube, para onde os inscritos serão direcionados com exclusividade. Os temas abordados são voltados para a área de finanças, com apresentação de cases de sucesso. Os vídeos têm entre 30 e 50 minutos e ficarão disponíveis durante dois dias.

Um aluno a soldado da Polícia Militar (PM) foi atingido por um tiro, disparado acidentalmente por um colega, e morreu ontem (21), em Senhor do Bonfim – Região Norte Baiana. As informações são da PM. De acordo com a PM, o caso ocorreu por volta das 8h, durante a passagem de serviço, no Núcleo de Formação da Polícia Militar da cidade.

A polícia não detalhou a identificação do rapaz que morreu, nem do que teria atirado acidentalmente. Disse, apenas, que conforme informações iniciais apuradas no local, um aluno de serviço manuseava a arma quando atingiu acidentalmente o outro. O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foi acionado para prestar os primeiros socorros, mas quando chegou ao local o aluno já estava morto.

A PM informou, ainda que os procedimentos iniciais para apurar o caso estão sendo realizados pelo comando do 6º Batalhão de Polícia Militar (BPM) e pelo Comando de Policiamento Regional Norte (CPRN). O Departamento de Polícia Técnica (DPT) foi acionado para realizar perícia. A equipe do Centro de Valorização do Policial Militar (Cevap), da região norte, está acompanhando os familiares do militar.

 

*G1

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Depois das pressões e negociações com partidos do Centrão, a equipe do presidente Jair Bolsonaro aceita retirar da reforma da Previdência Social quatro pontos da proposta de emenda constitucional (PEC) que está em tramitação na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara. A intenção do governo com a demonstração de boa-vontade para mexer no texto é tentar aprovar a PEC já nesta terça-feira (23).

Na avaliação de assessores do ministro Paulo Guedes (Economia), os trechos oferecidos para a tesoura do Centrão não afetam a potência fiscal da reforma e, por isso, poderiam ser negociados ainda nesta primeira fase de tramitação.

Na estratégia inicial, o governo só considerava a possibilidade de ceder na segunda etapa de tramitação do texto na Câmara, durante os trabalhos da comissão especial, que analisará o mérito da medida.

Os quatro pontos que o governo admite mexer na CCJ são os seguintes:

  1. O que retira a obrigatoriedade de recolhimento de FGTS de aposentados e do pagamento da multa de 40% da rescisão contratual deles
  2. O que define o foro de Brasília para qualquer tipo de ação judicial sobre questões previdenciárias da reforma
  3. Retirada da definição de aposentadoria compulsória da Constituição, transferindo mudanças para lei complementar
  4. O que deixa apenas nas mãos do Executivo federal qualquer proposta de alteração nas regras da Previdência.

O governo não quer ceder além desses quatro pontos. Modificações em itens como o Benefício de Prestação Continuada (BPC) e aposentadoria de trabalhadores rurais – que são vistas como certas na comissão especial – ficariam apenas para a segunda fase de tramitação.

Paulo Guedes avalia que ceder ainda na primeira fase de tramitação enfraquece a estratégia do governo. O ministro da Economia preferia deixar qualquer mudança para a comissão especial.

No entanto, ele e o secretário da Previdência, Rogério Marinho, avaliaram que o governo pode fazer gestos na direção do Legislativo aceitando retirar pontos “laterais” da reforma, que não comprometem a previsão de economia de R$ 1 trilhão no período de dez anos.

O relator do parecer de admissibilidade na CCJ da Câmara, deputado Delegado Marcelo Freitas (PSL-MG), deve redigir novo parecer, fazendo os ajustes negociados nos últimos dias entre os partidos do Centrão e o governo.

Ao longo desta segunda-feira (22), Rogério Marinho terá reuniões com Paulo Guedes e conversas por telefone com líderes partidários para tentar fechar o acordo. Informações G1

Reuniões, articulação com empresas de segurança e ações que desarticularam quadrilhas especializadas reduziram em 39,2% os índices de roubos contra estabelecimentos comerciais no primeiro trimestre de 2019, em todo o estado. De janeiro a março, foram contabilizados 198 casos a menos que no mesmo período do ano passado.

Nos três primeiros meses foram registrados 307 casos na Bahia. Em 403 municípios do interior, a redução chegou a 41,9%, sendo registrados 181, uma média de 0,44 delito por cidade. Na capital e região metropolitana, a redução de casos nessa modalidade criminosa foi de 34,7%, 67 casos a menos que no mesmo período de 2018.

De acordo com a titular da Delegacia de Repressão a Furtos e Roubos (DRFR), delegada Carla Ramos, a aproximação com grandes empresas varejistas contribuiu para o bom resultado. “Nos reunimos rotineiramente com representantes dos estabelecimentos e os orientamos a agirem antes, durante e depois dos casos”, revelou a delegada.

Nesses encontros, a especialista lembra a importância dos sistemas de monitoramento por imagem para contribuir na identificação e localização dos criminosos e construção de inquéritos judiciais. “Criamos um grupo de WhatsApp, ativo desde 2017, para facilitar e agilizar a comunicação entre a unidade e os lojistas, e chegarmos mais rápido aos locais de crime”, revelou.

Além disso, no último ano, assaltantes que lideravam grupos especializados em roubos a grandes lojas foram localizados pela DRFR. Informações Ascom/Secretária da Segurança Pública (SSP)

Foto: Reprodução

A partir desta segunda-feira, 22, serão realizadas modificações no tráfego de veículos na Rua Chile, no Centro Histórico de Salvador. Além disso, linhas de ônibus também terão itinerários alterados (veja abaixo as mudanças).

Devido às obras de requalificação realizadas na região, o trecho entre a rua das Vassouras e o Hotel Fera Palace será interditado. Por esse motivo, os veículos que circulam pelo local com destino à rua Carlos Gomes deverão acessar a rua Pau da Bandeira e a Ladeira da Montanha.

De acordo com a Superintendência de Trânsito de Salvador (Transalvador), não haverá modificações no tráfego para acessar o Centro Histórico. Os condutores devem utilizar a rua do Tesouro e rua da Ajuda.

A Transalvador vai reforçar a sinalização do local, além de manter agentes na região para ordenar o trânsito e facilitar a orientação.

Além das modificações no tráfego de veículos, algumas linhas de ônibus que param na rua das Vassouras, antigo terminal da Rua Chile, terão os seus itinerários modificados.

Essas linhas serão circulares, retornando no prédio da antiga Sulacap, e deverão parar no ponto provisório em frente ao Clube de Engenharia na rua Carlos Gomes.

REUTERS/Dinuka Liyanawatte/Direitos Reservados

O número de mortos na série de atentados coordenados que ocorreram no Sri Lanka no Domingo de Páscoa (21) subiu para 290. Cerca de 500 pessoas ficaram feridas. Os ataques, cometidos em alguns casos por homens-bomba, tiveram como alvos templos católicos e hotéis de luxo.

Ao divulgar o mais recente balanço de vítimas, o porta-voz da Polícia do Sri Lanka, Ruwan Gunasekara, anunciou que 24 pessoas foram detidas por suspeita de participação nos ataques.  Os detidos estão sendo interrogados pela divisão de investigação criminal da Polícia, acrescentou Gunasekara.

A maior parte dos mortos é de cidadãos do Sri Lanka, mas há pelo menos 32 estrangeiros entre as vítimas, incluindo cidadãos da Bélgica, dos Estados Unidos, da China, do Reino Unido, da Índia e de Portugal.

Nenhum grupo reivindicou a autoria das ações até o momento. Por enquanto, o governo segue divulgando informações dispersas sobre as suspeitas no caso. O ministro da Defesa, Ruwan Wijewardene, disse que os autores dos ataques foram identificados como “extremistas religiosos” e pertenciam a um único grupo, sem dar mais detalhes.

O ministro da Saúde do país, Rajitha Senaratne, disse que sete das oitos explosões foram cometidas por terroristas suicidas e que todos esses homens-bomba eram cidadãos do Sri Lanka.

Rajitha Senaratne, um porta-voz do governo, por sua vez, afirmou que o ataque coordenado deve ter contado com ajuda externa. “Não acreditamos que esses ataques foram executados por um grupo de pessoas restrito a este país. Esses ataques não teriam sido bem-sucedidos sem uma rede internacional”, disse.

Segundo o jornal New York Times, um alto integrante da polícia do Sri Lanka advertiu o governo, há 10 dias, sobre o risco de atentados contra igrejas no país, e que a minoria cristã do país estava na mira de um grupo islâmico radical chamado Thowheeth Jama’ath. Não ficou claro, no entanto, se as autoridades tomaram alguma medida adicional de segurança. O primeiro-ministro Ranil Wickremesinghe disse que não foi informado sobre a ameaça. “Temos que verificar por que precauções adequadas não foram tomadas”, disse ele.

Após os ataques, a embaixada dos Estados Unidos em Colombo advertiu que “grupos terroristas” continuam preparando ataques no Sri Lanka. “Os grupos terroristas continuam tramando possíveis ataques no país. Os terroristas poderiam atacar, com pouca ou nenhuma advertência, áreas públicas”, anunciou o Departamento de Estado por meio da sede diplomática americana no país asiático.

A embaixada americana cita como possíveis alvos desses ataques espaços turísticos, centros de transporte, mercados, shoppings, instalações do governo, hotéis, clubes, restaurantes, lugares de culto, parques, eventos esportivos e culturais importantes, instituições educativas e aeroportos. Informações Agência Brasil

Jair Bolsonaro e o ministro da Economia, Paulo Guedes, durante cerimônia no Palácio do Planalto — Foto: Adriano Machado/Reuters

O governo Jair Bolsonaro pretende encerrar o período de reajuste linear para os servidores públicos e instituir o que o ministro Paulo Guedes chamou, em reunião com sua equipe no Ministério da Economia, de meritocracia.

O valor do reajuste passaria a ser diferenciado. Ainda não está decidido se por categoria ou por funcionário, a partir de avaliação feita pelo cidadão ao utilizar o serviço público.

Técnicos do Ministério da Economia estão estudando como implementar este tipo de avaliação para o servidor público.

Uma das ideias é repetir o que já acontece em empresas privadas e lojas do comércio: na saída da loja, o cliente é instado a fazer sua avaliação; numa máquina, ele aperta o botão verde se sair satisfeito; amarelo se o atendimento foi regular ou vermelho se não gostou do atendimento.

O ministro Paulo Guedes disse que o funcionário público precisa entender que não é uma autoridade diante do cidadão que paga impostos. “Ele é um servidor, e seu serviço precisa ser avaliado por quem paga os impostos para receber um bom serviço público”, disse.

Com esse mesmo sentido, ele instituiu, no Ministério da Economia, que o tratamento a ser dado a todas as autoridades da pasta é o de senhor e senhora e não mais ” vossa excelência”. “Aqui não tem excelência alguma, tem servidor público”, disse.

O presidente Bolsonaro gostou da novidade e instituiu a norma para toda administração pública, em ato publicado nos cem dias de governo.

A ideia do ministro é que o cidadão que vá tirar um passaporte, por exemplo, tenha a possibilidade de avaliar o serviço prestado ali. Neste caso, a responsabilidade pelo passaporte é da Polícia Federal, mas muitos dos atendentes são terceirizados ou de hierarquia inferior e não agentes ou delegados da PF.

“Depois de ser atendido, o cidadão faz sua avaliação. Ao final do ano, vamos ver qual o porcentual de avaliações positivas, negativas e neutras para definir o porcentual do reajuste”, disse o ministro.

O desafio é como operacionalizar isso; como fazer com que todo cidadão faça sua avaliação; como deve ser feita, se numa máquina ou de outra maneira; e também se a avaliação valerá para a categoria ou individualmente para o servidor público.

A ideia ainda é incipiente, mas revela o desejo do ministro Paulo Guedes de mudar completamente a forma de reajuste salarial do servidor público. Se a proposta for adiante, uma das consequências será o enfraquecimento dos sindicatos que representam as diversas categorias do serviço público. Informações G1

Unit´