Assembleia Itinerante em Santo Antonio de Jesus é marcada por protestos

Estudantes do CETEP bradavam na porta do auditório onde a Assembleia Itinerante estava sendo realizada
Estudantes do CETEP bradavam na porta do auditório onde a Assembleia Itinerante estava sendo realizada

COMPARTILHE:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no google
Compartilhar no email
Auxiliar de serviços gerais emerendeiras são alguns dos profissionais que estão parados desde a primeira quinzena de abril
Auxiliar de serviços gerais e merendeiras são alguns dos profissionais que estão parados desde a primeira quinzena de abril

A cidade de Santo Antonio de Jesus recebeu na tarde desta quinta-feira (7), a 10ª edição da Assembleia Itinerante, promovida pela Assembleia Legislativa da Bahia. Trabalhadores e estudantes aproveitaram a presença dos representantes do legislativo baiano para protestar.

Com faixas, cartazes e gritos de ordem, funcionários terceirizados ligados ao Sindicato dos Trabalhadores em Limpeza do Estado da Bahia (Sindilimp), seccional Recôncavo, reclamavam de atraso no pagamento dos salários e de outros benefícios.

Auxiliar de serviços gerais, merendeiras, porteiros são alguns dos profissionais que estão braços cruzados desde a primeira quinzena de abril, de acordo com Manoel Neres, diretor do Sindilimp na região.

“Eles estão com dois meses de salários atrasados e desde janeiro não recebem vale alimentação. FGTS e INSS não estão sendo recolhidos nas devidas contas. Já tivemos várias reuniões entre a direção do sindicato e a secretaria de Educação e eles sempre dando prazos, mas até hoje não regularizou”, disse.

Os trabalhadores prestam serviço para as empresas Sandes, HD, C&C e Contrate. “Categorias param para cobrar ajustes nos salários e nós resolvemos parar porque trabalhamos e não estamos recebendo”, salientou Neres.

Manoel Neres, diretor do Sindilimp na região do Recôncavo
Manoel Neres, diretor do Sindilimp na região do Recôncavo

Estudantes do Centro Educacional Profissional do Recôncavo (CETEP), onde a Assembleia Itinerante foi realizada, também bradaram com cartazes nas mãos fazendo coro aos terceirizados, já que a interrupção dos serviços tem afetado os alunos.

“Escravidão disfarçada de terceirização. Pelos salários das tias!”, dizia o cartaz exibido por Carlos Tailan, estudante do 4º ano de Agropecuária.  “Muitos trabalhadores estão vivendo em condições desumanas porque não estão recebendo e isso é um absurdo. A gente também quer melhoria na educação. A nossa escola não tem merenda, eles cortaram o fornecimento”, disse o estudante.

O deputado Carlos Geilson, em seu discurso, falou sobre a situação dos terceirizados. “Pior do que contratar terceirizados, é não pagar. O PT a cada dia se mostra mais incongruente e incoerente. Contratam terceirizados e, fazem deles escravos, pois não pagam seus salários. Esses homens e mulheres têm contas a pagar, e eles estão aqui esperando que os deputados governistas levem esse apelo ao governador”, disse.

Estudantes do CETEP bradavam na porta do auditório onde a Assembleia Itinerante estava sendo realizada
Estudantes do CETEP bradavam na porta do auditório onde a Assembleia Itinerante estava sendo realizada