Casa Branca rejeita pedido de perdão a Edward Snowden

Os documentos que Edward Snowden enviou a jornalistas revelavam programas de espionagem até então desconhecidos. Foto: Reprodução/Reuters/A Crítica
Os documentos que Edward Snowden enviou a jornalistas revelavam programas de espionagem até então desconhecidos. Foto: Reprodução/Reuters/A Crítica

COMPARTILHE:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no google
Compartilhar no email
Os documentos que Edward Snowden enviou a jornalistas revelavam programas de espionagem até então desconhecidos. Foto: Reprodução/Reuters/A Crítica
Os documentos que Edward Snowden enviou a jornalistas revelavam programas de espionagem até então desconhecidos. Foto: Reprodução/Reuters/A Crítica

A Casa Branca rejeitou nesta terça-feira (28) documento assinado por 167.954 pessoas solicitando perdão incondicional ao ex-consultor da Agência de Segurança Nacional norte-americana (NSA) Edward Snowden.

Snowden foi o responsável pela revelação de que as forças de segurança norte-americanas espionavam indiscriminadamente cidadãos, autoridades e empresas de vários países. Ele está refugiado na Rússia, de onde não sai por medo de ser preso e extraditado.

Segundo a conselheira de Obama para a Área de Segurança Interna e Luta contra o Terrorismo, Lisa Monaco, Snowden deveria “regressar aos Estados Unidos para ser julgado pelos seus pares e não se esconder por detrás de um regime autoritário”. Segundo a conselheira, Snowden, até agora, “foge das consequências dos seus atos”.

Nos Estados Unidos, onde é acusado de terrorismo, o ex-consultor pode ser condenado a 30 anos de prisão por ter fornecido a jornalistas cópias de um grande número de documentos secretos da NSA, agência de informações que, entre outras atividades, monitora e intercepta as comunicações eletrônicas.

Os documentos que Snowden enviou a jornalistas revelavam programas de espionagem até então desconhecidos. A revelação gerou um debate mundial sobre liberdades individuais, direito à privacidade e limites dos mecanismos legais criados com a justificativa de combater o terrorismo.

*Agência Brasil