Denúncia: agentes comunitárias de saúde são vítimas de tentativa de estupro em Feira; categoria reclama corte de gratificação

COMPARTILHE:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no google
Compartilhar no email

Agentes comunitárias de saúde são vítimas de tentativa de estupro em Feira de Santana. A denúncia é do presidente do Sindicato dos Agentes Comunitários de Saúde de Feira de Santana e diretor do Conselho Administrativo da Conferência Nacional dos Agentes, Nelson do Rosário.

Em entrevista ao Programa Jornal TransBrasil, na rádio TransBrasil, na manhã desta terça-feira (6), Nelson afirmou que várias agentes foram vítimas de tentativa de estupro, trabalhando em algumas comunidades no município.
“Nem todas registraram queixa, mas o problema existe. 96% dos 856 agentes comunitários de saúde em Feira são do sexo feminino”, informa.

Além da tentativa de estupro, segundo Nelson, as agentes comunitárias ainda são assediadas sexualmente e moralmente. “É um trabalho extremamente estressante e perigoso”, pontua.

Como se não bastassem estas situações no dia a dia do trabalho, os agentes, segundo Nelson do Rosário, ainda ficaram sem a AJE (Adicional de Jornada Excedente), cortada em fevereiro, segundo ele por determinação do governo municipal.

O corte da AJE foi o principal motivo de uma paralisação de advertência da categoria, na segunda (5), em Feira de Santana. “A última vez que tivemos acesso a conversar com o prefeito foi em 2019 e mesmo assim durante uma solenidade rápida no estacionamento da Prefeitura. Queremos dialogar e resolver a situação”, argumenta.

Foram cortados R$ 75,00 de AJE do contracheque dos agentes comunitários. “Significa perda de 4.9% nos proventos. Faz falta. Mas os secretários de Finanças e de Saúde, Expedito Eloy e Marcelo Britto, respectivamente, entraram em contato conosco. Esperamos resolver, pois, caso contrário, poderemos parar por tempo indeterminado”, avisa Nelson.