Ex-presidente da Câmara de Itabuna tem bens bloqueados

(Foto: Reprodução)
(Foto: Reprodução)

COMPARTILHE:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no google
Compartilhar no email
(Foto: Reprodução)
Ficou constatado que alguns dos cadastros de servidores de Itabuna eram fantasmas. (Foto: Reprodução)

O ex-presidente da Câmara de Vereadores de Itabuna – Região Sul Baiana-, Clóvis Loiola de Freitas, e mais três funcionários da casa legislativa tiveram seus bens bloqueados por fraude na operação de empréstimos consignados em nome de funcionários com o uso de documentos falsos. O total bloqueado pela Justiça Federal de Itabuna foi de aproximadamente R$ 797.777,80 mil.

Ficou constatado que alguns dos cadastros de servidores eram fantasmas. Segundo a assessoria do MPF, no biênio 2009/2010, “o grupo operava por meio da apresentação de contracheques ideologicamente falsos em nome de servidores da Câmara, com margem consignável adulterada e muitas vezes superior ao próprio salário-base do funcionário”. Ainda de acordo com as investigações, colaboradores da Casa foram coagidos a aceitarem as propostas de adulteração de dados para não correrem riscos de exoneração dos cargos.

O texto do MPF também destaca que “na ação penal, também oferecida pelo MPF contra os réus e julgada no ano passado, Clóvis Freitas e Kleber Silva foram condenados a seis anos de prisão e multa; Rodrigues Junior a três anos e nove meses de prisão e multa, e Menezes a um ano e oito meses e multa”. O órgão aguarda a condenação dos quatro por terem ferido a Lei de improbidade administrativa, o que pode provocar, dentre outras coisas, a perda das funções públicas.