Garota baleada no Ogunjá passa por cirurgia

Menina segue internada no HGE. Foto: aratuonline.com.br.
Menina segue internada no HGE. Foto: aratuonline.com.br.

COMPARTILHE:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no google
Compartilhar no email
Menina segue internada no HGE. Foto: aratuonline.com.br.
Menina segue internada no HGE. Foto: aratuonline.com.br.

A adolescente de 16 anos baleada cinco vezes, nesta segunda-feira (2), no bairro do Ogunjá, em Salvador, passou por cirurgia no Hospital Geral do Estado (HGE), onde segue internada. A menina foi atingida na cabeça, dedo da mão esquerda, perna esquerda e bacia quando visitava parentes.

Sem se identificar, uma testemunha contou ao jornal A Tarde que a garota estava dentro da casa da avó paterna, quando dois homens chegaram procurando por ela. Eles teriam questionado o nome da adolescente e, ao identificá-la, a levaram para a rua e atiraram. No momento do crime, a menina estava com uma prima de 16 anos, que não ficou ferida.

Conforme a testemunha, os homens não são moradores do bairro. “Ela estava sem poder ir lá [no bairro]. Teve lá em casa ontem [domingo], foi embora à noite e hoje (segunda-feira) voltou de novo. Disse que ia na casa de mainha e depois iria à praia com a prima. Quando ouvi foi os tiros”, revela uma dona de casa de 35 anos, tia da menina, afirmando que a sobrinha já tinha namorado um traficante do Ogunjá e, por isso, estava impedida de frequentar a região.

“Sempre dizia a ela que quando tivesse saudade era só me ligar que eu iria vê-la. A gente poderia até passar o dia no shopping com as primas dela. Mas ela não me ouviu. Tomara que isso sirva de lição”, conta a mulher. Muito abalada, a tia da garota disse que a sobrinha é órfã de mãe e foi criada por ela até o começo da adolescência. Atualmente, a adolescente está morando com a avó materna, em outro bairro. Até à noite desta segunda, a polícia ainda não havia identificado os suspeitos. O caso será investigado pela Delegacia Especializada de Repressão a Crimes contra a Criança e o Adolescente (Dercca).

Com informações do site do jornal A Tarde.