Médico diz que decapitou cabeça de feto para salvar vida de gestante

O obstetra Rubem Moreira apresenta sua versão para o fato e garante que agiu em defesa da vida da gestante (Foto: Reprodução)
O obstetra Rubem Moreira apresenta sua versão para o fato e garante que agiu em defesa da vida da gestante (Foto: Reprodução)

COMPARTILHE:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no google
Compartilhar no email
O obstetra Rubem Moreira apresenta sua versão para o fato e garante que agiu em defesa da vida da gestante (Foto: Reprodução)
O obstetra Rubem Moreira apresenta sua versão para o fato e garante que agiu em defesa da vida da gestante (Foto: Reprodução)

O médico que decapitou bebê durante parto, na cidade de Itapetinga – Região Sul Baiana – quebrou o silêncio em nota publicada na sua conta do Facebook. O obstetra Rubem Moreira apresenta sua versão para o fato e garante que agiu em defesa da vida da gestante.

“Por respeito a dor que atinge a todos envolvidos, em especial à família da paciente, venho a público prestar este esclarecimentos. Até agora, vinha tratando o caso com a discrição que deve existir sobre toda atuação do profissional de saúde. Sou pai de 3 filhos, nascido em Itapetinga e tenho quase 40 anos de profissão. Realizo partos durante todo este tempo e tenho amor à medicina. Há alguns dias fui chamado ao hospital para atender uma gestante que tinha entrado em trabalho de parto dias antes do previsto. Mesmo tendo realizado junto com toda a equipe médica os procedimentos e esforços necessários, não pude evitar que a criança viesse a óbito. A partir daí, procurei a família para informá-los e alertá-los dos riscos que a gestante corria, bem como todas as medidas que poderiam ser requeridas. Tenho consciência que para aqueles que desconhecem as razões e circunstância que indicaram um procedimento tão extremo sobressai o choque e a dor da família enlutada. Apesar de extremo, este procedimento é existente, é previsto na literatura médica e indicado quando é absolutamente necessário para salvar vidas da gestante. Deus é testemunha que fizemos o possível para salvar a criança e que na impossibilidade disto, tentamos ao máximo reduzir os impactos desta perda para sua família. O que foi feito era um recurso indispensável e que nos permitiu salvar a gestante. Por mais que nos esforcemos, nem sempre é permitido a nós profissionais de saúde evitar a dor e o sofrimento daqueles a quem nos prestamos a atender. Deixo aqui meus sentimentos à família”