Moradores do Calabar recebem assistência jurídica gratuita

Ações da Defensoria Pública na Base do Calabar

Na foto: Nirlene Ferreira, comerciante e moradora do Calabar

Foto: Elói Corrêa/GOVBA
Ações da Defensoria Pública na Base do Calabar Na foto: Nirlene Ferreira, comerciante e moradora do Calabar Foto: Elói Corrêa/GOVBA

COMPARTILHE:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no google
Compartilhar no email
Ações da Defensoria Pública na Base do Calabar Na foto: Nirlene Ferreira, comerciante e moradora do Calabar Foto: Elói Corrêa/GOVBA
Ações da Defensoria Pública na Base do Calabar
Na foto: Nirlene Ferreira, comerciante e moradora do Calabar
Foto: Elói Corrêa/GOVBA

A Base Comunitária de Segurança (BCS) do Cabalar, em Salvador, recebe o projeto Defensoria Cidadã Itinerante durante todas as sextas-feiras de setembro, das 8h ao meio-dia. Pedidos de pensão alimentícia, divórcio, inventário, acompanhamento de ações e execuções penais, retificação de pedidos de casamento e nascimento estão entre os serviços realizados gratuitamente no local.

Diversas autoridades, entre elas os secretários estaduais de Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social, Geraldo Reis, e da Segurança Pública, Maurício Barbosa, além do comandante-geral da Polícia Militar, coronel Anselmo Brandão, o defensor público-geral da Bahia, Clériston Andrade, e o ouvidor-geral do estado, Yulo Oiticica, estiveram na BCS Calabar, nesta sexta-feira (4), para o ato que marcou o início dos trabalhos.

De acordo com a coordenadora da iniciativa, Gianna Gerbasi, até reconhecimento de paternidade pode ser solicitado por meio do projeto itinerante. “A Defensoria Pública tem um programa chamado Ação Cidadã – Sou Pai Responsável. Já trouxemos para o Calabar há duas semanas e estamos retomando agora [no projeto Defensoria Cidadã Itinerante]”.

Para o secretário Geraldo Reis, a decisão da Defensoria Pública reitera o compromisso do órgão com o programa Pacto Pela Vida e prioriza a prevenção social. “Em breve estaremos constituindo os núcleos de direitos humanos nas bases comunitárias. Portanto, é possível que possamos trabalhar conjuntamente”.