Coelba entrega obras para garantir Jogos Olímpicos

Operador observa equipamentos na mesa de controle. Foto: Bruno Winycius/Divulgação.
Operador observa equipamentos na mesa de controle. Foto: Bruno Winycius/Divulgação.

COMPARTILHE:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no google
Compartilhar no email
Operador observa equipamentos na mesa de controle. Foto: Bruno Winycius/Divulgação.
            Operador observa equipamentos na mesa de controle. Foto: Bruno Winycius/Divulgação.

Cerca de R$ 30,3 milhões foram gastos pela Coelba para a construção de uma terceira linha subterrânea de alta-tensão na Arena Fonte Nova e uma subestação em Itinga. As ações de reforço são voltadas aos Jogos Olímpicos 2016 e o objetivo é garantir que não haja problemas com o suprimento de energia elétrica.

Dez jogos de futebol da Olimpíada Rio 2016 serão realizados no estádio, entre os dias 4/8 (jogo da primeira fase masculino: México e Alemanha) e 13/8 (quartas de final masculino). Conforme o superintendente de operações e manutenção da Coelba ao jornal A Tarde, Sérgio Mello, as ações foram planejadas para o evento internacional, mas servirão também para o fornecimento de energia dos bairros do entorno da Arena Fonte Nova.

No estádio, segundo Mello, foi construída, desde a Copa de 2014, uma subestação dentro do estádio com duas linhas de alta-tensão que operam com 69 mil volts, com investimento de R$ 44 milhões. A terceira linha, finalizada desde o início do ano e anunciada nesta quarta-feira (20) reforçará a unidade. Antes dos eventos, a Arena Fonte Nova era alimentada com subestações de outras regiões.

“Nossa intenção é dotar o estádio da maior confiabilidade possível no suprimento de energia elétrica. É ter certeza que há várias opções de rede elétrica”, destacou Mello.

As três linhas atuais alimentam a subestação do estádio, que, por sua vez, se divide em dez circuitos alimentadores. Dois deles são para a Arena Fonte Nova e os outros oito para bairros do entorno como Nazaré, parte de Brotas e Tororó. “Independentemente de ter jogo ou não, a subestação estará operando e alimentando os bairros do entorno”, acrescenta o superintendente.

Aeroporto

Em Itinga, a subestação que foi finalizada em junho deste ano atende ao aeroporto internacional de Salvador, além da região de Mussurunga, Stella Maris e Lauro de Freitas. Essa unidade é alimentada por duas linhas que operam com 69 mil volts. Ela se divide em cinco circuitos. Um deles para o aeroporto e os demais para o entorno.