Ex-líder da Telexfree Sann Rodrigues é preso nos Estados Unidos

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

COMPARTILHE:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no google
Compartilhar no email

Sanderley Rodrigues Vasconcelos, ex-líder da Telexfree, foi preso nos Estados Unidos acusado de falsificar informações para morar no país. Sann é considerado um foragido da Justiça brasileira por comandar um suposto esquema de pirâmide financeira, a Ifreex, investigada pela Polícia Federal no Espírito Santo.

A prisão de Sann foi decretada em 7 de maio depois que ele saiu dos EUA rumo a Israel. Ele foi capturado no dia 18 de maio, em Nova Jersey, pelo Departamento de Segurança Interna. Sanderley responde por suspeita de fraudes para obter o “green card”, documento que dá direito a moradia permanente ao imigrante. Ainda segundo a publicação, há suspeita de que é possível que a prisão tenha sido realizada a partir de pedido da Polícia Federal brasileira, para impedir que o ex-líder da Telexfree continue a conduzir esquemas de pirâmide.

Autoridades americanas congelaram milhões de dólares em bens e entraram com uma ação contra a TelexFree nos EUA em 2014 acusando o grupo de promover “esquema ilegal de pirâmide” financeira. Segundo a Comissão de Valores Mobiliários dos EUA (SEC), autora da ação na Corte Distrital de Massachusetts, a TelexFree opera por meio de “oferta fraudulenta e não registrada de títulos”, que tem como principais alvos brasileiros e dominicanos que vivem nos EUA.

A própria empresa diz ter arrecadado mais de US$ 1 bilhão, segundo o documento apresentado pela SEC ao tribunal, mas não torna pública nenhuma documentação comprovando a receita.
]No Brasil, as operações da Telexfree foram bloqueadas em 2013, por tempo indeterminado, a pedido do Ministério Público do Acre. A decisão da comissão americana veio depois que, na segunda-feira passada, a TelexFree LLC, a TelexFree Inc. e a TelexFree Financial Inc., subsidiárias e afiliadas da TelexFree, pediram concordata em uma Corte de Nevada. Segundo a acusação apresentada pela SEC, as três empresas declararam dever até US$ 600 milhões, mas possuir não mais que US$ 120 milhões.