Polícia deflagra ação para investigar desvios de R$ 70 mi na Bahia

Ação abrande os municípios de Guanambi, Caetité, Iuiú, Vitória da Conquista e Salvador. Foto: brasileiros.com.br.
Ação abrande os municípios de Guanambi, Caetité, Iuiú, Vitória da Conquista e Salvador. Foto: brasileiros.com.br.

COMPARTILHE:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no google
Compartilhar no email
Ação abrande os municípios de Guanambi, Caetité, Iuiú, Vitória da Conquista e Salvador. Foto: brasileiros.com.br.
Ação abrange os municípios de Guanambi, Caetité, Iuiú, Vitória da Conquista e Salvador. Foto: brasileiros.com.br.

A Polícia Federal (PF) deflagrou uma operação nesta quinta-feira (14) para investigar o desvio de verbas e crimes contra a administração pública na Bahia. A fraude pode passar de R$ 70 milhões e foram executadas por duas organizações criminosas comandadas por empresários.

Estão sendo cumpridos três mandados de prisão preventiva, quatro mandados de prisão temporária, oito mandados de condução coercitiva e 14 mandados de busca e apreensão nas cidades de Guanambi, Caetité, Iuiú, Vitória da Conquista e Salvador, além de Belo Horizonte, em Minas Gerais.

Conforme a PF, o inquérito policial foi instaurado a partir de relatório de auditoria elaborado pela Controladoria Geral da União, que informava suposta fraude e simulação em processos licitatórios realizados pela Prefeitura de Pindaí. Ainda segundo a PF, as empresas participantes da licitação pertenciam a dois empresários que, apesar de independentes, se articularam com o objetivo de conferir aparência de legalidade à concorrência viciada, visando maximizar a obtenção de vantagens indevidas.

Além disso, foi apurado que esses empresários constituíram diversas outras empresas cujos sócios eram “laranjas”, montando duas organizações criminosas que passaram a replicar esse mesmo esquema e utilizar essas empresas para participarem de várias licitações em diversos municípios baianos, em sua maioria com simulação de competição, cujos contratos, somados, ultrapassam a quantia de R$ 70 milhões. A operação, intitulada de Burla, conta também com o Ministério Público Federal e a Controladoria Geral da União.

Do site do jornal A Tarde.