Vaticano demite padre que assumiu homossexualidade

O porta-voz do Vaticano disse que a declaração pública de Charamsa foi "séria e irresponsável" (Foto: Reprodução)

COMPARTILHE:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no google
Compartilhar no email
O porta-voz do Vaticano disse que a declaração pública de Charamsa foi "séria e irresponsável" (Foto: Reprodução)
O porta-voz do Vaticano disse que a declaração pública de Charamsa foi “séria e irresponsável” (Foto: Reprodução)

O monsenhor Kryzstof Charamsa foi demitido pelo Vaticano após assumir sua homossexualidade nas vésperas de uma grande reunião dos bispos de todo o mundo para discutir a postura da Igreja em relação aos gays, divorciados e outros assuntos relacionados com a família católica. O monsenhor era um funcionário de nível médio na Congregação para a Doutrina da Fé. Em entrevistas publicadas por jornais italianos e poloneses neste sábado (3), ele afirmou que era feliz e orgulhoso de ser um padre gay, além de estar apaixonado por um homem que identificou como seu namorado.

Charamsa planejava conceder uma coletiva neste sábado em frente ao escritório da Congregação para a Doutrina da Fé, mas depois de sua demissão resolveu transferir a entrevista para outro local no centro de Roma. Ele estava junto de seu companheiro, identificado apenas como Eduard. O monsenhor disse que sua declaração não estava relacionada com o sínodo, que ocorre no dia 17 de outubro, mas espera que o caso possa “acrescentar uma voz cristã” ao encontro, no qual a Igreja deve discutir como lidar melhor com os fiéis homossexuais. “Eu me assumi. Essa é uma decisão muito pessoal, difícil e séria no mundo homofóbico da Igreja Católica”, comentou.

Em comunicado, o porta-voz do Vaticano, Federico Lombardi, disse que a declaração pública de Charamsa foi “séria e irresponsável”, especialmente por ter sido divulgada nas vésperas do sínodo, e que por isso o religioso não poderia continuar trabalhando na Santa Sé. Ele continua como padre, mas ainda pode sofrer novas sanções.

Fonte: Associated Press.